sexta-feira, 28 de outubro de 2016

18/10/2016 - Relato da defesa de mestrado de Tadeu Rodrigues Iuama


Tadeu Rodrigues Iuama, pesquisador do Nami, no momento de sua defesa de mestrado

No dia 18 de outubro de 2016, às 10h, no Anfiteatro da Biblioteca da Universidade de Sorocaba (Uniso), campus Cidade Universitária, o até então mestrando Tadeu Rodrigues Iuama estava incumbido de passar pelo grande teste final de qualquer jornada acadêmica, defender publicamente sua dissertação. Aluno do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura, o título de sua pesquisa foi: "Processos Comunicacionais nos jogos narrativos: a relação entre o roleplay e as histórias de vida dos players".

Em sua banca examinadora estavam o Prof. Dr. Jorge Miklos (PPGCom Unip) e a Prof Dr Mirian Cristina Carlos Silva (PPGCC Uniso) e a sua orientadora, Prof Dr Monica Martinez (PPGCC Uniso), presidente do evento.

Com o anfiteatro cheio a plateia aguardava o início com entusiasmo, saboreando biscoitos confeccionados pelo próprio Tadeu.

Com a chegada dos professores, logo o rito de passagem se iniciou. Feitas as devidas apresentações, era perceptível o cuidado, atenção e carinho que os avaliadores despenderam para com o futuro mestre e seu projeto de pesquisa. Todos possuíam inúmeras páginas com anotações, o que suscitou a possibilidade de inúmeros questionamentos finais.

Tadeu fez sua apresentação dentro do tempo estabelecido de forma clara e objetiva. Explicou sobre seu objeto de estudo LARP, destacou alguns dos autores utilizados, de que forma realizou as entrevistas, quem foram os entrevistados e os resultados obtidos com todos os processos que envolveram seu projeto de pesquisa.

 O primeiro a realizar a arguição foi o Prof. Dr. Jorge Miklos. Não houve perguntas, mas sim palavras de um apaixonado estudioso pela pesquisa do outro. O professor elogiou a coragem do Tadeu por não ter medo de admitir em sua dissertação que o tema escolhido não era um mero objeto, mas sim, um pedaço que constitui o próprio Tadeu e que essa coragem deveria servir de exemplo para outros pesquisadores, principalmente para aqueles presentes.

Durante sua elucidação, o Prof. Miklos expôs que o assunto pesquisado era apaixonante e que a paixão do jovem pesquisador contagiava. Foram belas as palavras do professor que fez afirmações como: “Não somos objetos e sim projetos” ou “Uma pesquisa também é uma forma de vínculo”. O professor convidado apontou para a exaustiva imersão feita pelo mestrando, pela quantidade de autores pesquisados e pela nítida dedicação empreendida. Afirmou ainda, que o projeto apresentado era “Uma dissertação com cara de tese” e pediu para que o aluno permanecesse no mundo das pesquisas, já que “Fazer ciência é não desistir do ser humano”.

Como não houve questionamentos, a palavra foi passada para a Prof Dr Mirian Cristina Carlos Silva, que articulou sua fala sobre o papel desempenhado pelo aluno durante todo o percurso do curso. Enalteceu o quanto dedicado e competente é o jovem pesquisador, mas também quanto o ser humano Tadeu merecia todas as menções pela sua dedicação, ética e respeito para com seus colegas e professores.  Lendo um trecho do trabalho, disse que ficou com “inveja” do aluno: “Eu gostaria de ter escrito isso”, brincou. Afirmou que entre ele e os outros pesquisadores havia nascido um vínculo e que esse não se romperia facilmente.

As palavras finais ficaram por conta da Prof Dr Monica Martinez, orientadora do aluno. Além dos elogios pela dedicação à pesquisa, a figura comprometida de seu orientando veio à tona. A professora afirmou que o Tadeu foi um aluno exemplar e raro, e que é apaixonante poder receber jovens pesquisadores interessados com objetos de estudos tão diversificados: “Então chega um aluno novo falando de um tal de LARP e você se pergunta, mas o que é isso? Vai até o Google e não entende direito se é um jogo eletrônico ou não... E aí você se lembra do  teórico francês Roland Barthes, em sua aula inaugural, que dizia que pesquisa era justamente isso: ensinar o que não se sabe, não ter medo de aprender junto”, disse.  A professora apontou para o envolvimento interdisciplinar, multidisciplinar de seu orientando e de como foi enriquecedor  todo o processo discorrido. E o incentivou a permanecer no campo acadêmico, já que o aluno se mostrou um brilhante pesquisador.

No momento dos agradecimentos feitos pelo Tadeu ficou claro quem eram as pessoas que ali estavam presentes. Não eram meros expectadores ou uma plateia qualquer, de alguma maneira todas aquelas pessoas estavam vinculadas a sua pesquisa e a sua pessoa, eram os entrevistados, professores e colegas do curso da pós-graduação, professores e colegas de outros cursos, amigos e família. Houve uma comoção generalizada, de alegria e orgulho.

Os professores se retiram alguns minutos da sala para deferirem se Tadeu Rodrigues Iuama seria aprovado ou não.

Os examinadores da banca retornaram e, a pedido da Prof Dr Monica Martinez, todos da audiência, como na banca avaliadora, ficaram em pé, ao que ela explicou que assim haviam aprendido e que essa era a tradição, já que aquele era um momento solene.

O resultado da arguição da pesquisa do Tadeu sobre "Processos Comunicacionais nos jogos narrativos: a relação entre o roleplay e as histórias de vida dos players" foi lida por sua orientadora, que o deferiu aprovado com louvor.

Em 18 de outubro de 2016, um dia primaveril, com pesquisa, biscoitos, café e vínculos, Tadeu Rodrigues Iuama se tornou o mais recente mestre formado pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Uniso. Com todo e merecido louvor!

Por
Vanessa Heidemann

Nenhum comentário:

Postar um comentário