quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Jogo de Cena encerra ciclo de debates sobre Coutinho



Sorocaba - O Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas (NAMI), do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Uniso, fechou o ciclo de estudos  sobre o documentarista Eduardo Coutinho (1935-2014) na tarde de segunda-feira, 30 de novembro, com a exibição do documentário Jogo de Cena (2007).

O encontro também marcou o encerramento das atividades do NAMI no segundo semestre de 2015.

A partir do texto Crônica de um Verão e Jogo de Cena: tecendo outros cotidianos, da prof.ª dr.ª Míriam Cristina Carlos Silva, docente permanente do Programa, os pesquisadores debateram a respeito de
como Eduardo Coutinho atua nas narrativas contadas no filme, como uma espécie de orquestrador das tramas, conduzindo-as para onde ele deseja. A discussão abarcou ainda a comunicação do cenário do filme e conceitos como realidade e ficção.
O documentário acontece em um teatro. As entrevistadas, todas mulheres, sentam-se em uma cadeira preta, após subirem escadas. É possível ouvir os passos e as respirações nesses momentos. Uma por vez, as mulheres contam suas histórias de vida a Coutinho, que está à frente delas, mas não aparece, quando raro há imagens de suas costas. De Coutinho, ouve-se mais a voz quando faz perguntas. Atrás das entrevistadas, estão todas as cadeiras do teatro, vazias. 
Há uma mescla de narrativas contadas por mulheres que viveram de fato suas histórias - todas ligadas de alguma forma a relacionamentos familiares - e as contadas por atrizes, que tentam reproduzir fielmente as narrativas originais, o que algumas vezes falha por interferência da memória e emoção próprias das atrizes.
Algumas delas são conhecidas; outras, nem tanto. O jogo de cena provoca a curiosidade: quem é a mulher que viveu realmente a história e quem é a atriz?

Para a professora Míriam (PPGCom), Jogo de Cena é a realização plena daquilo que Coutinho busca realizar desde o início, com  Cabra Marcado para Morrer (1984). Nesse sentido, a postura de escuta e a entrevista como método são elementos-chave na obra do documentarista.

Vera Bassoi, terapeuta e mestranda do PPGCom, contribuiu com o grupo de pesquisadores ao dividir sua experiência profissional: "O terapeuta não é jornalista, mas é um entrevistador. E há técnica para isso. Ouvir é muito importante nesse processo. A total atenção do terapeuta; a empatia com o paciente; o contato visual; estar inteiramente presente, de cabeça vazia, o que é muito difícil; o não-julgamento, o não tecer de comentários, apenas de perguntas que estimulem a continuidade da história, que é algo que Coutinho coloca em prática nas suas entrevistas e podemos perceber no documentário; tudo isso é essencial para que a entrevista na terapia tenha sucesso, para que o paciente não se feche em determinado momento e o processo terapêutico seja interrompido".

O debate terminou com uma reflexão em torno do conteúdo expresso através das formas, do cenário de Jogo de Cena. A cor vermelho-sangue, das cadeiras vazias do teatro, chamou atenção por todo o simbolismo que abraça. Representado em uma só palavra: vida. "No fundo, a vida é o que a gente narra. Somos tecidos de narrativas. Estamos vivos enquanto narramos", costurou como ponto final a professora Míriam.

Ficha Técnica

Título: Jogo de Cena
Origem: Brasil, 2007
Direção: Eduardo Coutinho
Produção: Raquel Freire Zangrandi e Bia Almeida. 
Fotografia: Jacques Cheuiche.
Edição: Jordana Berg.

O NAMI entra em recesso agora em dezembro e retoma as atividades após as férias! Boas festas e um feliz 2016!

Texto: Isabella Reis
Foto: Willian Welbert