quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Mais do que o prédio, Edifício Master aborda histórias de uma Copacabana plural e multifacetada


SOROCABA – O terceiro encontro do Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas (NAMI) da Universidade de Sorocaba (Uniso) em 2015 motivou os debates sobre o documentário Edifício Master (2002). Dando continuidade às reflexões sobre a obra do documentarista brasileiro Eduardo Coutinho (1935-2014), os pesquisadores abordaram o texto Walter Benjamin e os anjos de Copacabana, de Luis Antonio Baptista.
Para a professora doutora Tarcyanie Cajueiro Santos, docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura (PPGCom) da Uniso, que conduziu as discussões, o documentário apreciado revela a subjetividade das relações em grandes centros urbanos, como o Rio de Janeiro. “O filme é sobre pessoas, sobre a solidão e sobre como um mesmo espaço geográfico é percebido subjetivamente”.
De acordo com Tadeu Rodrigues, mestrando do PPGCom que pesquisa a relação entre as histórias de vida dos jogadores de jogos narrativos e o desempenho deles na interpretação dos papeis atribuídos, os debates no NAMI contribuem para aumentar o arcabouço teórico dos pesquisadores. “Esse instrumental, as entrevistas e os olhares diferenciados, vai ser útil, por exemplo, no desenvolvimento da minha pesquisa”, explica.

Desconstrução e subjetividade

Partindo do cotidiano no Edifício Master, Eduardo Coutinho aborda parte das histórias de vida de alguns moradores dali. Entre os 12 andares abarrotados de gente (são 23 apartamentos por andar, 276 no total), o documentarista apresenta ao público um retrato da sociedade carioca por meio de entrevistas que ajudam a desconstruir o bairro de Copacabana.
Longe de se aproximar do que é, comumente, veiculado nos cartões postais, o resultado das 37 entrevistas emoldura a ressignificação do espaço urbano, espécie de revitalização conduzida pelos segregados: idosos, prostitutas, desempregados, domésticas entre outros. “É nessa desconstrução da praia como único sinônimo possível de Copacabana que reside a beleza da obra”, revela a professora doutora Miriam Carlos Silva, docente permanente do PPGCom da Uniso.

FICHA TÉCNICA
Gênero: Documentário
Direção e roteiro: Eduardo Coutinho
Produção: Beth Formaggini
Fotografia: Jacques Cheuiche
Duração: 110 minutos
Ano: 2002
País: Brasil
Idioma: Português – BR

Próximo encontro do NAMI
30 de novembro - Jogo de Cena (2007)

Texto: Diogo Azoubel
Foto: Monica Martinez