quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

O Nome da Rosa e ciência: relato sobre o encontro de novembro de 2016 do Nami



SOROCABA – O quarto e último encontro de 2016 do Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas (NAMI) da Universidade de Sorocaba (Uniso) aconteceu em 29 de novembro na Cidade Universitária Aldo Vanucci, tendo sido marcado por debates sobre a relação entre ciência e cinema.
 Dando continuidade à problematização da obra de Umberto Eco (1932-2016) no campo da Comunicação, a exibição da adaptação cinematográfica de O Nome da Rosa foi o ponto de partida para o diálogo dos pesquisadores.
Em uma analogia com o fazer científico, o filme motivou a reflexão sobre o importante papel dos investigadores como agentes sociais de transformação. Dada a natureza estética da obra, a fotografia de O Nome da Rosa foi citada como alegoria para a passagem da Idade Média à Idade Moderna, momento no qual o conhecimento científico se reconfigura intensamente e em que o homem altera a percepção sobre si e sobre o universo.
Já o papel atribuído à mulher na escrita da história foi citado como marca narrativa da constante modificação da sociedade. Oscilando entre a alegada presença demoníaca conferida ao feminino pela Inquisição e à idealização de uma figura angelical e distante da realidade medieval, os pesquisadores debateram o impacto do engajamento dos estudos realizados para contestação de certos determinismos que marcam contextos sócio, político e culturais distintos.

O Nome da Rosa
Em cerca de duas horas, acompanhamos os franciscanos Guilherme de Baskeville e Adson, seu discípulo, na investigação das misteriosas mortes que assombram os frades de abadia beneditina italiana no século XIV. A resposta prévia para o problema está posta: trata-se da presença do demônio. Mas será? Guilherme, entretanto, não se deixa cegar pela superfície do que, naquele momento, parecia óbvio, e insiste em um enigma que lhe remete aos dilemas da própria existência enquanto homem de fé.
Entre as paredes da abadia e os planos abertos majestosos do diretor Jean-Jacques Annaud, as suposições de Adson vão dando espaço à observação sistemática de Guilherme. Nesse ponto reside, aliás, outra aproximação possível entre o papel do pesquisador e do orientador em uma relação que, tanto quanto no longa, precisa dar margem ao aprendizado mútuo. Se falta experiência ao jovem pupilo, sobra-lhe entusiasmo e energia vital. Do tutor, a sabedoria e a percepção apurada dos fatos que se desenrolam transformam o espectador um cúmplice na busca pela revelação de segredos guardados por séculos.
Sem querer estragar as surpresas, e especialmente por datar do fim da década de 1980, o filme certamente merece ser (re)visto e funciona como elo para problematização da prática acadêmica por meio do cinema. Da máxima ora et labora (reza e trabalha) ao final da narrativa, o riso contido dos protagonistas em comunhão remete à experimentação dos métodos e técnicas com os quais o pesquisador se paramenta para conhecer o mundo.

FICHA TÉCNICA
Título Original: Le Nom de la Rose
Gênero: Suspense
Direção: Jean-Jacques Annaud
Elenco: Christian Slater, Elya Baskin, F.Murray Abraham, Feodor Chaliapin, Michel Lonsdale, Ron Perlman, Sean Connery, William Hickey
Duração: 118 min.
Ano: 1986
País: Alemanha / França / Itália

Texto e foto: Diogo Azoubel

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

28/11 - 13h - Exibição de O Nome da Rosa, baseado na obra de Umberto Eco



Neste último encontro de 2016, assistiremos ao filme "O Nome da Rosa" para debater, ao final da exibição, a relação entre a obra literária do semioticista italiano Umberto Eco (1932-2016) e a produção fílmica dela derivada.

Os encontros são abertos à comunidade interna e externa, sendo também certificados, valendo créditos para os mestrandos e graduandos da Uniso e de outras instituições. 

Serviço

Quando: 28/11, segunda-feira
Horário: das 13h às 17h
Onde: Auditório Central
Rodovia Raposo Tavares, km. 92.5
Cidade Universitária, Sorocaba, SP


Mais Informações: (015) 2101-7104 (de segunda à sexta-feira, em horário comercial) ou pelo email daniela.rosa@uniso.br.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

18/10/2016 - Relato da defesa de mestrado de Tadeu Rodrigues Iuama


Tadeu Rodrigues Iuama, pesquisador do Nami, no momento de sua defesa de mestrado

No dia 18 de outubro de 2016, às 10h, no Anfiteatro da Biblioteca da Universidade de Sorocaba (Uniso), campus Cidade Universitária, o até então mestrando Tadeu Rodrigues Iuama estava incumbido de passar pelo grande teste final de qualquer jornada acadêmica, defender publicamente sua dissertação. Aluno do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura, o título de sua pesquisa foi: "Processos Comunicacionais nos jogos narrativos: a relação entre o roleplay e as histórias de vida dos players".

Em sua banca examinadora estavam o Prof. Dr. Jorge Miklos (PPGCom Unip) e a Prof Dr Mirian Cristina Carlos Silva (PPGCC Uniso) e a sua orientadora, Prof Dr Monica Martinez (PPGCC Uniso), presidente do evento.

Com o anfiteatro cheio a plateia aguardava o início com entusiasmo, saboreando biscoitos confeccionados pelo próprio Tadeu.

Com a chegada dos professores, logo o rito de passagem se iniciou. Feitas as devidas apresentações, era perceptível o cuidado, atenção e carinho que os avaliadores despenderam para com o futuro mestre e seu projeto de pesquisa. Todos possuíam inúmeras páginas com anotações, o que suscitou a possibilidade de inúmeros questionamentos finais.

Tadeu fez sua apresentação dentro do tempo estabelecido de forma clara e objetiva. Explicou sobre seu objeto de estudo LARP, destacou alguns dos autores utilizados, de que forma realizou as entrevistas, quem foram os entrevistados e os resultados obtidos com todos os processos que envolveram seu projeto de pesquisa.

 O primeiro a realizar a arguição foi o Prof. Dr. Jorge Miklos. Não houve perguntas, mas sim palavras de um apaixonado estudioso pela pesquisa do outro. O professor elogiou a coragem do Tadeu por não ter medo de admitir em sua dissertação que o tema escolhido não era um mero objeto, mas sim, um pedaço que constitui o próprio Tadeu e que essa coragem deveria servir de exemplo para outros pesquisadores, principalmente para aqueles presentes.

Durante sua elucidação, o Prof. Miklos expôs que o assunto pesquisado era apaixonante e que a paixão do jovem pesquisador contagiava. Foram belas as palavras do professor que fez afirmações como: “Não somos objetos e sim projetos” ou “Uma pesquisa também é uma forma de vínculo”. O professor convidado apontou para a exaustiva imersão feita pelo mestrando, pela quantidade de autores pesquisados e pela nítida dedicação empreendida. Afirmou ainda, que o projeto apresentado era “Uma dissertação com cara de tese” e pediu para que o aluno permanecesse no mundo das pesquisas, já que “Fazer ciência é não desistir do ser humano”.

Como não houve questionamentos, a palavra foi passada para a Prof Dr Mirian Cristina Carlos Silva, que articulou sua fala sobre o papel desempenhado pelo aluno durante todo o percurso do curso. Enalteceu o quanto dedicado e competente é o jovem pesquisador, mas também quanto o ser humano Tadeu merecia todas as menções pela sua dedicação, ética e respeito para com seus colegas e professores.  Lendo um trecho do trabalho, disse que ficou com “inveja” do aluno: “Eu gostaria de ter escrito isso”, brincou. Afirmou que entre ele e os outros pesquisadores havia nascido um vínculo e que esse não se romperia facilmente.

As palavras finais ficaram por conta da Prof Dr Monica Martinez, orientadora do aluno. Além dos elogios pela dedicação à pesquisa, a figura comprometida de seu orientando veio à tona. A professora afirmou que o Tadeu foi um aluno exemplar e raro, e que é apaixonante poder receber jovens pesquisadores interessados com objetos de estudos tão diversificados: “Então chega um aluno novo falando de um tal de LARP e você se pergunta, mas o que é isso? Vai até o Google e não entende direito se é um jogo eletrônico ou não... E aí você se lembra do  teórico francês Roland Barthes, em sua aula inaugural, que dizia que pesquisa era justamente isso: ensinar o que não se sabe, não ter medo de aprender junto”, disse.  A professora apontou para o envolvimento interdisciplinar, multidisciplinar de seu orientando e de como foi enriquecedor  todo o processo discorrido. E o incentivou a permanecer no campo acadêmico, já que o aluno se mostrou um brilhante pesquisador.

No momento dos agradecimentos feitos pelo Tadeu ficou claro quem eram as pessoas que ali estavam presentes. Não eram meros expectadores ou uma plateia qualquer, de alguma maneira todas aquelas pessoas estavam vinculadas a sua pesquisa e a sua pessoa, eram os entrevistados, professores e colegas do curso da pós-graduação, professores e colegas de outros cursos, amigos e família. Houve uma comoção generalizada, de alegria e orgulho.

Os professores se retiram alguns minutos da sala para deferirem se Tadeu Rodrigues Iuama seria aprovado ou não.

Os examinadores da banca retornaram e, a pedido da Prof Dr Monica Martinez, todos da audiência, como na banca avaliadora, ficaram em pé, ao que ela explicou que assim haviam aprendido e que essa era a tradição, já que aquele era um momento solene.

O resultado da arguição da pesquisa do Tadeu sobre "Processos Comunicacionais nos jogos narrativos: a relação entre o roleplay e as histórias de vida dos players" foi lida por sua orientadora, que o deferiu aprovado com louvor.

Em 18 de outubro de 2016, um dia primaveril, com pesquisa, biscoitos, café e vínculos, Tadeu Rodrigues Iuama se tornou o mais recente mestre formado pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Uniso. Com todo e merecido louvor!

Por
Vanessa Heidemann

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Terceiro encontro do NAMI ocorre durante EPECOM


O terceiro encontro de 2016 do Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas (NAMI), ligado ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba/SP (Uniso), ocorrerá no dia 26 de setembro, das 14h às 17h30, durante o X Encontro de Pesquisadores em Comunicação e Cultura (EPECOM).

Nesta oportunidade, os pesquisadores apresentarão os estudos que estão sendo realizados este ano em relação à vida e obra do semioticista italiano Umberto Eco (1932-2016)

Confira a programação das mesas ligadas ao NAMI. Mais detalhes sobre a programação podem ser consultados em http://www.uniso.br/hs/x-epecom/programacao.pdf:

GT COMUNICAÇÃO E NARRATIVAS MIDIÁTICAS 
Coordenação: Profa. Dra. Miriam Cristina Carlos Silva 
Local14 às 17h30 – Bloco F 1. andar [sala 108] 
Trabalhos

A função social da telenovela a partir do diálogo entre os estudos culturais e o conceito de “leitor-modelo” de Umberto Eco 
Georgia de Mattos [Uniso] 

O terrorismo e as novas cruzadas: as narrativas de Umberto Eco na obra Ao passo do caranguejo 
Anaelson Leandro de Sousa [Uneb] 

Mapeamento da produção acadêmica sobre o sistema brasileiro de televisão 
João Paulo Hergesel [UAM] 

Hello money, bye bye pobreza: reflexões sobre as celebridades e as convocações biopolíticas da autoajuda 
Ana Catarina Holtz [PUC-SP] Fernando Matijewitsch [ESPM] 

15h30 – 16h – CAFÉ 

Panorama acerca da produção acadêmica sobre Umberto Eco 
Míriam Cristina Carlos Silva [Uniso] Monica Martinez [Uniso] Tadeu Rodrigues Iuama [Uniso] Aline Albuquerque Lima [Uniso] 

Danilo Gentili e o humor de senso comum: uma análise a partir de Umberto Eco 
Thífani Postali [Uniso, Unicamp] Isabella Reis Pichiguelli [Uniso] 

A televisão na era do closed caption e a comunicação para o surdo profundo usuário de libras 
Francimar Mangabeira Martins Maciel [Uniso] 

O processo de hibridização no audiovisual brasileiro: o caso Vai que Cola 
Lidianne Porto Moraes [UFG]

GT COMUNICAÇÃO E JORNALISMO 
Coordenação: Prof. Dra. Monica Martinez 
Local14 às 17h30 – Bloco F 1. andar [sala 107] 

Trabalhos
A Liga e Profissão Repórter: uma abordagem sobre a cobertura jornalística da legalização da maconha 
Giovanna de Lamos Costa [Uniso] Guilherme Monteiro Bonillia [Uniso] Jéssica dos Santos Nascimento [Uniso] Rafael Moraes Pontes [Uniso] 

Corpo e empatia no espetáculo do telejornalismo brasileiro 
Rosane Baptista [Cásper Líbero] 

Jornais-Laboratório na Universidade de São Paulo: um estudo sobre a Agência Universitária de Notícias, o Jornal do Campus e o Programa Universidade 93,7 
André Chaves de Melo Silva [USP] Alexandre Barbosa [USP] Luciano Victor Barros Maluly [USP] 

15h30 – 16h – CAFÉ 

Quando morador de rua é notícia: Análise da cobertura do jornal Cruzeiro do Sul sobre o problema social 
Jennifer Lucchesi [Uniso] Joyce Gonçalves Luiza Steinert [Uniso] 

A imagem como texto: uma possibilidade de leitura para além da linguagem formal no jornalismo cultural 
Fernanda Maria Lozano Monteiro Sanches [Uniso] 

A reportagem em ação: um estudo sobre os recursos semióticos utilizados na composição do programa Profissão Repórter 
Mônica Maria Pinheiro Villar de Queiroz [Paris IV] 

Jornalismo automatizado: perspectivas de (re)definição de funções entre algoritmos e jornalistas 
Krishma Anaísa Coura Carreira [UFJF]


GT MÍDIA E GÊNERO
Coordenação: Profa. Dra. Tarcyane Cajueiro Santos
Local: 14 às 17h30 – Bloco F 1. Andar [sala 106]

Trabalhos

Propaganda e homossexualidade: Cidadania, Estereótipos e Desconstrução na Campanha d'O Boticário 
Guilherme Barbacovi Libardi [UFRS] Helena Lívia Dedecek Gertz [UFRS]

Mês da mulher na rede e no papel: uma análise das publicações da revista Nova 
Juliana Cristina da Silva Ferreira [PUC-SP] 

Narrativa publicitária na imprensa feminina brasileira: rupturas e continuidades 
Vivyane Garbelini Cardoso [Cásper Líbero] 

15h30 – 16h – CAFÉ 

A maternidade nos meios de comunicação: a perspectiva conservadora 
Alice Mitika Koshiyama [USP] 

Ativismo de sofá? Juventudes, gêneros e redes digitais 
Josefina de Fátima Tranquilin Silva [Uniso] 

Transgeneridade farsesca: drag queens nas chanchadas brasileiras 
Thiago Henrique Ribeiro dos Santos [Uniso] 

Relações de gênero na comunicação: panorama e perspectivas 
Anna Flávia Feldmann [USP, PUC-SP]

domingo, 26 de junho de 2016

Chamada de capítulos para o livro Umberto Eco em Narrativas



O Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas (NAMI), do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba (Uniso), tem a satisfação de convidá-lo(a) para participar do livro Umberto Eco em Narrativas, que reunirá estudos que problematizem as narrativas nas discussões teóricas e/ou obras literárias do semiólogo italiano Umberto Eco (1932-2016).
As propostas devem estar concentradas na área de Comunicação, podendo apresentar interfaces com áreas afins. Acredita-se que esse diálogo, feito por meio de análises históricas, político-culturais, estéticas, visuais e textuais entre outras, possa contribuir para o alargamento dos debates no âmbito das narrativas midiáticas. Todas as abordagens metodológicas são bem-vindas, desde que explicitadas.  

Eixos temáticos possíveis
I – A importância de Umberto Eco nos estudos teóricos de Comunicação;
II – A influência de Umberto Eco nas pesquisas em Narrativas;
III – Contribuições teóricas sobre a obra do autor;
IV – Estudos sobre Umberto Eco, o escritor de ficção;
V – Reflexões sobre a relação de Umberto Eco e o cinema.

Seleção
Para seleção preliminar dos textos, pedimos aos autores que enviem por e-mail (tadeu.rodrigues@edu.uniso.br) o resumo expandido (escrito em português) de suas propostas de pesquisa contendo de 800 a 1000 caracteres (com espaço), redigidas com fonte tipo Times New Roman, corpo 12 e espaçamento 1,5 justificado, em formato “.doc”. O prazo se encerra em 31 de julho de 2016. O resumo deverá conter o problema da pesquisa, principais teóricos utilizados e a metodologia que será empregada (todas são bem-vindas, desde que explicitadas no texto).
No início de cada proposta devem constar os seguintes itens na ordem listada abaixo:
- Título do trabalho (mesmo que provisório) (fonte tipo Times New Roman, corpo 12 e espaçamento 1,5 em negrito e centralizado) acompanhado de nota de rodapé na qual conste o eixo temático selecionado (fonte corpo 10 e espaçamento simples justificado);
- Nome dos autores (fonte tipo Times New Roman, corpo 12 e espaçamento simples em negrito e alinhados à direita) acompanhados de notas de rodapé com resumos dos currículos de cada pesquisador em até três linhas (fonte corpo 10 e espaçamento simples justificado);
- Nome da instituição à qual estão filiados (fonte tipo Times New Roman, corpo 12 e espaçamento simples sem negrito e alinhado à direita).

A comunicação dos aceites dos resumos dos capítulos selecionados ocorrerá por envio de e-mail por parte dos editores da publicação, até 30 de agosto de 2016.
A primeira versão dos capítulos deve ser enviada até 30 de setembro de 2016 por e-mail (tadeu.rodrigues@edu.uniso.br) para que o processo de apreciação dos trabalhos seja iniciado pelos demais pesquisadores. Cada capítulo deve ser redigido conforme orientações específicas e ter entre 20 mil e 35 mil caracteres (com espaço), já incluindo na contagem as notas de rodapé e as referências. Cada capítulo será revisado pelos editores da publicação. O resultado da revisão, com eventuais sugestões de ajustes e/ou modificações, será comunicado aos autores por e-mail até 15 de outubro de 2016. Para envio por e-mail do texto final, já devidamente ajustado, normalizado e revisado, o prazo se encerra em 31 de outubro de 2016.

Lançamento
A previsão para o lançamento do livro é 25 de abril de 2017 em versão digital, com evento comemorativo na primeira reunião de 2017 do NAMI.

X EPCOM
É desejável, embora de maneira alguma obrigatória, a submissão dos estudos ao X Encontro de Pesquisadores em Comunicação e Cultura, promovido pela Universidade de Sorocaba, para que os capítulos tenham oportunidade de serem discutidos em um GT. Para tanto, pede-se que os trabalhos sejam submetidos ao GT 15: Narrativas Midiáticas, atendendo a agenda do encontro (a saber: entrega dos resumos expandidos até 31/07/2016 e entrega dos artigos até 31/08/2016). Para maiores informações, acessar o site www.uniso.br/hs/x-epecom/.

Editoras:  Profas. Dras. Míriam Cristina Carlos Silva, Monica Martinez e Tarcyane Cajueiro (Uniso)
Editor assistente: Tadeu Rodrigues Iuama (Uniso)

Para participar da primeira etapa do processo seletivo
Envie por e-mail (tadeu.rodrigues@edu.uniso.br) o resumo expandido (escrito em português) de suas propostas de pesquisa contendo de 800 a 1000 caracteres (com espaço), redigidas com fonte tipo Times New Roman, corpo 12 e espaçamento 1,5 justificado, em formato “.doc”. O prazo se encerra em 31 de julho de 2016. O resumo deverá conter o problema da pesquisa, principais teóricos utilizados e a metodologia que será empregada (todas são bem-vindas, desde que explicitadas no texto).


sexta-feira, 24 de junho de 2016

NAMI realiza segundo encontro sobre Umberto Eco



O Grupo de Pesquisas em Narrativas Midiáticas (NAMI), Uniso/CNPq, realizou no dia 20 de junho seu segundo encontro de 2016, ano no qual os integrantes estão realizando um estudo sobre a importância da obra do teórico italiano Umberto Eco (1932-2016) no campo da Comunicação.

No evento, a Profa. Lucia Castanho, mestre em História da Arte, abordou do autor a obra A vertigem das listas, refletindo sua semelhança com o nosso cotidiano e quais são as utilidades das mesmas, bem como a interferência destas em nossas vidas. Nunca é demais lembrar que a própria escrita, em seus primórdios,  tem a função de ser um registro de mercadorias. 

Já o Prof. Agnelo Fedel, mestre em Teorias da Comunicação, dissertou sobre os livros Apocalípticos e integrados e O super-homem de massa, explicando a relevância do autor no desenvolvimento de sua dissertação de mestrado, bem como relacionando o pensamento de Eco ao mundo das histórias em quadrinhos e dos longas do cineasta estadunidense Quentin Tarantino.


Durante o encontro ainda foi lançado o primeiro livro do NAMI, Eduardo Coutinho em Narrativas (Provocare, 2016). Organizado por Miriam Cristina Carlos Silva, Monica Martinez e Diogo Azoubel, a obra estará em breve disponível gratuitamente em formato e-book.


Aline Albuquerque

terça-feira, 14 de junho de 2016

20/6 - 14h - Experiências teóricas e artísticas com aportes de Umberto Eco



Neste segundo encontro de 2016, os professores Agnelo Fedel falará sobre a experiência que teve com a obra teórica de Umberto Eco na produção de sua dissertação de mestrado pela Faculdade Cásper Líbero. Já a professora Lúcia Castanho explicará a influência do autor em suas obras de arte.

A programação contará também com o lançamento do primeiro livro dos pesquisadores vinculados ao NAMI, intitulado Eduardo Coutinho em Narrativas. Finalmente, lançaremos a chamada oficial para o segundo livro do grupo, que será ligado às pesquisas produzidas ao longo de 2016 sobre o semioticista italiano Umberto Eco (1932-2016).

Os encontros são abertos à comunidade interna e externa, sendo também certificados, valendo créditos para os mestrandos e graduandos da Uniso e de outras instituições. 

Serviço

Quando: 20/6, segunda-feira
Horário: das 14h às 16h
Onde: Auditório da Biblioteca
Rodovia Raposo Tavares, km. 92.5
Cidade Universitária, Sorocaba, SP


Mais Informações: (015) 2101-7104 (de segunda à sexta-feira, em horário comercial) ou pelo email daniela.rosa@uniso.br.